Por que Randy Bryce tem esperança - e por que ele ainda é um grande azarão

GettyRandy Bryce fala em um comício em 24 de fevereiro em Racine.

Desde que o presidente Trump assumiu o cargo no ano passado, os democratas estão em uma maré tórrida em eleições especiais. Eles trocaram assentos legislativos estaduais em Kentucky e Oklahoma ; Ganhou uma corrida para o Senado dos EUA no Alabama , onde Trump esmagou Hillary Clinton em 28 pontos percentuais; e sacudiu a cadeira na Câmara dos EUA no 18º distrito da Pensilvânia , onde Trump venceu por quase 20. Isso além de vencer as corridas para governador regularmente programadas em Nova Jersey e Virgínia, e ganhando mais terreno na Câmara de Delegados da Virgínia do que ganharam em qualquer eleição desde 1899.



Em 3 de abril, os democratas receberam outra notícia extremamente encorajadora em Wisconsin, onde Juiz Rebecca Dallet , um progressista apoiado por democratas estaduais, venceu com facilidade uma disputada disputada na Suprema Corte estadual contra Michael Screnock , um conservador apoiado pelo governador Scott Walker e outros republicanos estaduais. Walker, que está buscando a eleição para um terceiro mandato neste outono, lançou-se em um tempestade de tweet da madrugada alerta sobre o potencial de um #Onda azul isso poderia custar-lhe seu governo.



Os resultados das eleições, juntamente com os democratas votações genéricas e Taxas de aprovação anêmicas de Trump , alimentaram uma onda de otimismo democrata. Ativistas progressistas estão esperançosos não apenas de que os democratas possam retomar a maioria na Câmara dos Deputados neste outono, mas que possam construir uma onda forte o suficiente para varrer um de seus principais antagonistas: o presidente da Câmara, Paul Ryan, que cumpriu 10 mandatos em 1º distrito de Wisconsin .

Isso nos leva a Randy Bryce , um dos democratas desafiando Ryan. o Stache de Ferro tem fez campanha com Bernie Sanders , apareceu em eventos de arrecadação de fundos repletos de celebridades em ambas as costas e arrecadou mais de US $ 4,75 milhões desde o lançamento de sua campanha em junho passado. Ele é quase certamente o mais conhecido e falado desafiante da Câmara no país, apesar de nunca ter exercido um cargo eletivo.



Bryce, um trabalhador sindicalista de 53 anos e ativista de longa data, ainda precisa bater em um membro do conselho escolar de Janesville Cathy Myers nas primárias democratas de 14 de agosto, mas é amplamente esperado que ele o faça. Isso provavelmente abriria um confronto com Ryan, que Bryce vem provocando nas redes sociais e na campanha desde o lançamento de sua campanha.

O primeiro distrito, que se estende dos subúrbios de Milwaukee ao sul em direção à fronteira com Illinois, parece à primeira vista ser o tipo de lugar onde um candidato democrata forte pode ter uma chance. Embora tenha mudado para a direita nas últimas duas eleições presidenciais, Trump conseguiu modestos 10 pontos percentuais em 2016, de acordo com as eleições diárias de Kos . Barack Obama venceu por 3 em 2008. Mas os analistas eleitorais são unânimes em sua visão de que o distrito é mais favorável ao Partido Republicano nas disputas pelo Congresso do que sua história de votação presidencial pode sugerir.

Randy Bryce cumprimenta os convidados em um comício em 24 de fevereiro em Racine.



Os analistas diferem um pouco sobre se consideram improvável ou quase impossível uma vitória de Bryce sobre Ryan. Eles concordam enfaticamente que, se ele estiver na cédula, Ryan será fortemente favorecido.

Ryan representa uma espécie de assento de balanço, disse Kyle Kondik , editor-chefe da University of Virginia’s Bola de Cristal de Sábado . É uma espécie de periferia de assentos potencialmente competitivos. Ele poderia correr e ainda perder? Sim, acho que é possível. Eu acho que é altamente improvável.

Aqui, porém, está uma fonte de incerteza: menos de dois meses antes do prazo final de apresentação de 1 de junho, Ryan ainda não se comprometeu a buscar o 11º mandato. Embora ele esteja mantendo uma presença ativa no distrito e tenha mais de $ 9 milhões em dinheiro disponível , Ryan disse a repórteres ele não vai tomar uma decisão sobre a possibilidade de correr até que ele converse com sua esposa, Janna , algo que ele faz na primavera de cada ano eleitoral. Na época em que Ryan falou aos repórteres em fevereiro, essa conversa ainda não havia acontecido, e Jeremy Adler , um porta-voz político de Ryan, disse esta semana que a campanha não tinha atualizações para relatar além dos comentários anteriores de Ryan.

A falta de clareza sobre os planos de Ryan é um dos muitos motivos pelos quais a corrida é complicada de analisar e fascinante de seguir. O fato de a corrida estar ocorrendo em Wisconsin - um campo de batalha política e um viveiro de ativismo em ambas as extremidades do espectro ideológico - chamou ainda mais atenção. A vitória de Dallet na terça-feira energizou ainda mais os democratas estaduais, que já estavam impulsionados por um Vitória de janeiro em uma eleição especial para o Senado estadual em um distrito favorável ao Partido Republicano ao longo da fronteira de Minnesota, e que há anos sonha em destituir Walker, um antagonista dos sindicatos de funcionários públicos que sobreviveu a uma tentativa de recall menos de 18 meses após assumir o cargo.

Mas esse entusiasmo democrata vai de encontro a forças que serão difíceis de superar. Os democratas nunca chegaram nem remotamente perto de derrotar Ryan em nenhuma das 10 vezes anteriores em que ele participou da votação, e o senso comum é que será muito difícil derrotá-lo se buscar o 11º mandato em novembro.

Um olhar mais atento sobre o distrito revela por que Ryan continua sendo um grande favorito se ele estiver na votação - e por que, ao mesmo tempo, os democratas estão se sentindo cada vez mais otimistas sobre suas chances.


Ryan é impopular nacionalmente, mas tem sido uma força política dominante em casa

GettyPaul Ryan e sua esposa, Janna, em um comício na noite da eleição em Janesville em 8 de novembro de 2016. Ryan venceu a reeleição por 35 pontos percentuais.

Ryan, junto com outros líderes congressistas em ambos os partidos, é profundamente impopular nacionalmente . E há algum Os sinais que os democratas podem citar para argumentar que sua popularidade em casa também podem estar diminuindo.

PARA Pesquisa de novembro de 2017 da Sondagem de Políticas Públicas de tendência esquerdista , encomendado pelo Democratic PAC Patriot Majority , encontrou o índice de aprovação de Ryan debaixo d'água no distrito, com 42% dos entrevistados aprovando seu desempenho e 50% desaprovando. (A mesma pesquisa descobriu que Ryan derrotou Bryce em uma hipotética disputa eleitoral por 7 pontos percentuais.)

PARA pesquisa PPP separada conduzida em outubro passado encontraram Ryan com apenas 35% de aprovação em todo o estado, com 51% de desaprovação. (Essa pesquisa não forneceu dados em nível de distrito, mas é uma aposta segura que os números de Ryan em seu distrito são melhores do que no estado como um todo.) A campanha de Bryce diz uma pesquisa encomendada em novembro passado e divulgado no início de dezembro mostrou Bryce atrás de Ryan por modestos 6 pontos percentuais.

Mas um pesquisa recente da Marquette University Law School - o padrão ouro nas pesquisas de Wisconsin - encontrou números que os apoiadores de Ryan acham tranquilizadores: em todo o estado, a pesquisa descobriu que respeitáveis ​​46% dos eleitores registrados tinham uma opinião favorável sobre ele, enquanto 39% tinham uma opinião desfavorável. Mais importante, na parte do mercado de mídia de Milwaukee fora da cidade de Milwaukee - uma região que inclui uma parte considerável do distrito de Ryan - a pesquisa descobriu que 55 por cento dos eleitores tinham uma visão favorável do presidente da Câmara, enquanto apenas 36 por cento tinham uma visão desfavorável. (Uma parte menor do distrito de Ryan está no mercado de mídia de Madison, onde os números de Ryan estão bem abaixo do nível do mar, com uma divisão favorável / desfavorável de 33-59.)

E ao longo de sua carreira, Ryan tem sido uma potência eleitoral no 1º distrito. O presidente do parlamento derrotou todos os oponentes democratas que enfrentou nos últimos 20 anos, vencendo por nada menos que 14 pontos percentuais e ultrapassando em muito os candidatos republicanos no topo da chapa. Em 2016, Ryan venceu sua candidatura à reeleição contra o democrata Ryan Solen em 35 pontos percentuais, superando Trump em 25 pontos, mesmo quando Trump estava a caminho de se tornar o primeiro republicano desde Ronald Reagan a ocupar o cargo. Isso foi depois que ele aniquilou Paul Nehlen , um nacionalista branco cuja candidatura foi defendida por Breitbart, por 68 pontos percentuais nas primárias do Partido Republicano.

Nehlen está concorrendo nas primárias do GOP novamente este ano, mas ele imagina ter ainda menos apoio desta vez do que em 2016. Breitbart, então dirigido por Steve Bannon, denunciou Nehlen em dezembro passado, depois que ele começou a fazer comentários mais abertamente racistas e anti-semitas.

Brandon Finnigan , um viciado em eleições que fundou o conceituado Mesa de decisão HQ e estudou a política de Wisconsin por anos, está entre os analistas que consideram Ryan perto de uma chance se ele estiver nas urnas. E a corrida contra Nehlen, que recentemente se descreveu como profissional branco, é algo que Finnigan diz estar trabalhando a favor do palestrante.

(Ele é) provavelmente um dos candidatos mais horríveis para chegar até aqui, disse Finnigan. Suas posições são tão incrivelmente extremas em algumas coisas que as pessoas que o apoiaram em 2016 o abandonaram. ... Você não poderia pedir um oponente tão bobo em sua primária.


Os analistas Mais otimista sobre as chances dos democratas ainda classificam a corrida como 'provável republicana'

GettyRandy Bryce fala em um comício em 24 de fevereiro em Racine.

Mesmo com os democratas surgindo como favoritos para retomar a maioria na Câmara, duas das organizações mais proeminentes que emitem classificações qualitativas em disputas na Câmara - o Cook Political Report e Eleições Internas - classifique a raça como republicana segura ou sólida. Em um análise recente , Nate Silver do Fivethirtyeight estimou que o partido listado como o favorito ganhou assentos com esse rótulo cerca de 95 por cento das vezes.

Ao longo de 2017 e início de 2018, Bola de Cristal de Sábado juntou-se a seus pares ao listar o assento de Ryan como um republicano seguro. No entanto, em 8 de março - cinco dias antes da vitória do democrata Conor Lamb nas eleições especiais no 18º distrito da Pensilvânia - a publicação fez uma mudança interessante , movendo a cadeira de republicano seguro para republicano provável.

minha vida de 600 lb teretha agora

CNN seguiu o exemplo 10 dias depois , observando que o sudeste de Wisconsin é, na verdade, um território mais amigável para os democratas do que o sudoeste da Pensilvânia. Mas mesmo enquanto elogiavam a capacidade de Bryce de tornar a corrida competitiva, Terence Burlig e Eric Bradner da CNN conduziram seu resumo da corrida da seguinte forma: Este é o distrito do presidente da Câmara, Paul Ryan, e é provável que continue assim em novembro.


Se Ryan se aposentasse, as chances dos democratas de ganhar a cadeira aumentariam drasticamente

GettyPaul Ryan cumprimenta Donald Trump antes do discurso de Trump no Congresso em 28 de fevereiro de 2017.

Quando escrevendo sobre a mudança de classificação , Kondik mencionou o fator que pode ser a melhor chance de Bryce para a vitória: a possibilidade de Ryan optar por se aposentar em vez de buscar a reeleição.

Esse cenário ganhou bastante atenção em dezembro passado, quando Politico relatado que as pessoas próximas a Ryan haviam se convencido de que o Orador estava pronto para desistir, a fim de passar mais tempo com sua jovem família em Janesville. Embora o futuro político de Ryan sempre tenha parecido incerto - ele estava abertamente hesitante em concordar em se tornar o presidente da Câmara em primeiro lugar em 2015 - o artigo do Politico chamou a atenção de observadores políticos de Washington a Racine. Se Ryan se aposentasse, os analistas concordam que as chances dos democratas de virar a cadeira disparariam, tornando a disputa algo semelhante a uma disputa.

Qualquer um que desejasse mais notícias sobre a aposentadoria de Ryan ficaria pelo menos parcialmente desapontado nas semanas e meses que se seguiram. Durante o resto do inverno, houve poucos murmúrios públicos de que Ryan estava prestes a se aposentar, e a sabedoria convencional dentro e fora do 1º Distrito é que Ryan provavelmente estará na votação.

No entanto, os democratas que torcem pela renúncia de Ryan podem não ser totalmente sem esperança. O presidente da Câmara não se comprometeu com seus planos, e as conversas públicas sobre seu futuro foram confusas. Em 26 de março, o congressista republicano Mark Amodei disse no programa Nevada Newsmakers que ele ouviu um boato no Capitólio de que Ryan renunciaria ao cargo de porta-voz nos próximos 30 a 60 dias e seria sucedido pelo líder da maioria Steve Scalise.

Três dias depois, a Associated Press, citando uma fonte anônima com conhecimento dos planos de Ryan, relatou que o palestrante estava planejando concorrer à reeleição , mas pode não permanecer no Congresso no próximo ano se o Partido Republicano perder a maioria. Os sinais conflitantes levaram a algum movimento nos mercados de apostas, com os comerciantes do mercado online PredictIt dando a Ryan apenas 66 por cento de chance de ser o nomeado GOP no distrito e um 52 por cento de chance a ser reeleito em novembro.

GettyUm congressista do Partido Republicano de Nevada diz que há um boato circulando pelo Capitólio de que o Chicote da Maioria Steve Scalise (à direita) poderia em breve substituir Paul Ryan como palestrante.

Adler, porta-voz político de Ryan, não gostou do relatório da AP. O porta-voz fala por si mesmo sobre este assunto, e não há nenhuma atualização de seus últimos comentários públicos, disse ele em um comunicado.

Em uma declaração separada, Adler disse que Ryan estava confiante em suas esperanças de reeleição.

A principal prioridade de Paul Ryan sempre foi trabalhar para melhorar as coisas para seus constituintes e aprovar leis, como a reforma tributária, que economizará mais de US $ 2.500 por ano para as famílias trabalhadoras de Wisconsin, disse ele. Não temos dúvidas de que ele será reeleito neste outono por uma margem confortável, assim como ele foi nas nove vezes anteriores em que esteve nas urnas no Primeiro Distrito.

Bryce e seus assessores acompanharam de perto as especulações sobre o futuro de Ryan, embora digam que estão confiantes de que podem vencer a corrida, independentemente de seu oponente.

Havíamos conversado sobre isso antes de começarmos, disse Bryce em uma entrevista em janeiro em Racine. Tipo ‘se realmente fizermos essa coisa rolar, ele pode simplesmente cair fora. … Ele parece miserável e estou feliz por ter algo a ver com isso.

GettyRandy Bryce faz campanha com o senador Bernie Sanders em 24 de fevereiro em Racine.

Poucas pessoas entendem o desafio que Bryce está enfrentando melhor do que Rob Zerban, o democrata que concorreu sem sucesso contra Ryan em 2012 e 2014. Zerban é o único democrata desde 1998 a chegar a 15 pontos percentuais de derrotar Ryan, apesar desse resultado, que veio em 2012 , vem com uma advertência: Ryan não fez campanha para a reeleição, pois estava ocupado servindo como o candidato do Partido Republicano para vice-presidente. Zerban disse que entrou na corrida sempre otimista de que poderia ser competitivo e esperando o apoio de democratas estaduais e nacionais, e de progressistas proeminentes em todo o país.

Em sua oferta de 2012 contra Ryan, Zerban recebeu ajuda de Joan Jett para arrecadar fundos, que doou uma guitarra autografada e outras recordações que Zerban leiloou para beneficiar sua campanha. Mas as contribuições de Jett à parte, o apoio que Zerban imaginou nunca se materializou, deixando o candidato gastando a maior parte de sua energia solicitando doações.

Sempre pareceu uma batalha difícil, disse Zerban. Passei horas ao telefone tentando arrecadar dinheiro e recursos, depois de ter feito alguns cheques grandes para dar início à campanha. Foi apenas um processo sem fim.

Com dinheiro jorrando de doadores de todo o país, Bryce não precisa lidar com o processo que atormentou Zerban e outros inimigos anteriores de Ryan. Esses recursos estão entre os motivos pelos quais a campanha de Bryce está projetando confiança.

Randy está bem posicionado para ser o próximo congressista do Primeiro Distrito de Wisconsin, independentemente de Ryan estar ou não na cédula, porta-voz de Bryce Lauren Hitt disse em um comunicado. E podemos entender por que Ryan renunciou: ele está enfrentando uma luta como nunca antes.

No entanto, por causa da inclinação para a direita do distrito e as proezas eleitorais pessoais de Ryan, superar os adversários anteriores de Ryan não será suficiente para vencer a corrida, mesmo se uma onda democrata se materializar nacionalmente.

Os obstáculos que Bryce está enfrentando vão além do apelo pessoal de Ryan no distrito. Não há precedente para um candidato democrata em qualquer lugar na cédula levando o distrito sem comparecimento em nível de eleição presidencial nos redutos democratas do distrito. Dallet perdeu o distrito por cerca de 5 pontos percentuais, apesar de vencer em todo o estado em uma vitória esmagadora de 12 pontos.

O desafio para Bryce é que ele precisa do comparecimento dos democratas à presidência em fortalezas que são pesadamente superadas pelos subúrbios (Milwaukee), disse Finnigan. O ciclo teórico em que ele poderia vencer requer um escândalo destruidor de família em torno de Ryan ou uma onda democrática cataclísmica - uma perda tão massiva seria uma nota de rodapé em vez de um destaque.


Há um exemplo recente de um democrata levando o distrito: Barack Obama

GettyBarack Obama, então candidato à indicação presidencial democrata, cumprimenta um funcionário durante uma visita à fábrica de montagem da General Motors em Janesville em 13 de fevereiro de 2008. A fábrica foi fechada cerca de 14 meses depois.

Supondo que Ryan não seja atormentado por um escândalo, isso deixa Bryce com dois caminhos um tanto relacionados:

Opção 1: Uma onda democrática de proporções quase históricas, juntamente com a erosão suficiente no apoio de Ryan para torná-lo vulnerável nesse tipo de ambiente.

Opção 2: Um cenário em que Ryan opta por desistir em vez de buscar o 11º mandato.

Charles Franklin , o diretor de longa data da pesquisa Marquette e um observador de longa data da política de Wisconsin, é cético, mas não despreza as chances de Bryce.

Não é o distrito mais republicano do estado, mas Ryan está no cargo há muito tempo e quase sempre teve poucos adversários, disse Franklin. Isso levanta algumas questões sobre: ​​Será que um candidato forte e bem financiado poderia causar-lhe alguns problemas? … Quer se trate de disputas legislativas ou parlamentares, (há) um bom número de disputas em que o candidato derrotado obtém 30 ou 35 por cento dos votos, e essas são quase sempre disputas mal financiadas contra um titular bem estabelecido e bem financiado, e você pensa, 'o que você esperava? Sem desrespeito a esses candidatos. Mas você precisa de alguns recursos.

Randy Bryce comparece a um comício de 28 de março em Janesville para mostrar apoio aos estudantes que terminaram a última etapa de uma marcha de 80 quilômetros por Wisconsin para chamar a atenção para a violência armada.

Perguntei a Franklin como seria um roteiro democrata para a vitória no distrito, caso Bryce ou outro democrata pudesse causar uma reviravolta.

Aqui está o que ele descreveu:

Um aumento de participação democrata no nível do tsunami em Rock County , que tem sido historicamente a terceira maior fonte de votos democratas no estado. (O condado inclui a cidade natal de Ryan, Janesville , que passa a ser um dos municípios com tendência mais democrática do distrito.)

Um aumento de participação democrata no cidade de Racine , o município com tendência mais democrática do distrito.

Conquistar grupos significativos de eleitores potencialmente persuadíveis em Kenosha , onde nenhum dos partidos conquistou o controle do eleitorado.

Comparecimento republicano deprimido na fatia do distrito que faz parte da Waukesha County , uma das fontes mais confiáveis ​​de votos do Partido Republicano no estado, e um dos condados suburbanos mais inclinados ao Partido Republicano no país.

O cenário apresentado por Franklin se assemelha ao que aconteceu na eleição presidencial em 2008, quando Barack Obama conquistou o primeiro lugar de Wisconsin por 3 pontos percentuais sobre John McCain. Obama é o único candidato presidencial democrata a ocupar o cargo de distrito em sua forma atual.

A campanha de 2008 apresentou um cenário ideal para os democratas: Comparecimento histórico juntamente com um ambiente nacional que favorecia esmagadoramente os democratas. Obama derrotou McCain em mais de 7 pontos percentuais nacionalmente , e os democratas ganharam o voto popular cumulativo na Câmara por mais de 9 pontos percentuais, revertendo 21 cadeiras mantidas pelo Partido Republicano e expandindo a maioria eles haviam vencido em 2006. A eleição de 2008 é uma prova do que é possível para um democrata no distrito e de como seria difícil derrotá-lo se estivesse na votação em novembro.

Mesmo com Obama levando o distrito por 3 pontos, Ryan esmagou a democrata Marge Krupp por quase 30.


- Contribuidor pesado Ariel Goronja contribuiu para este relatório.


Artigos Interessantes