Sobreviventes da infernal reforma da escola da Flórida relatam sua tortura como 27 túmulos possíveis encontrados na instituição

Acredita-se que 82 corpos tenham sido descobertos na famosa Escola para Meninos Arthur G. Dozier até agora e muitos acreditam que mais ainda podem ser encontrados nas dependências da escola.

Por Namrata Tripathi
Atualizado em: 03:12 PST, 18 de março de 2020 Copiar para área de transferência Tag : Sobreviventes da infernal reforma da escola da Flórida relatam sua tortura como 27 túmulos possíveis encontrados na instituição

(Fonte: Getty Images)



As autoridades da Flórida anunciaram na semana passada que encontraram 27 túmulos de notícias no local da infame escola reformativa da Flórida, que foi fechada em 2011 por acusações de abuso extremo e morte de estudantes. Relatórios afirmam que 82 corpos foram descobertos na famosa Escola para Meninos Arthur G. Dozier até agora e muitos acreditam que mais ainda podem ser encontrados ao redor das instalações da escola.



Bryant Middleton, Richard Huntly e Roger Kiser - entre os sobreviventes das práticas torturantes da escola, recentemente relataram sua provação ao Daily Mail. Middleton estava colhendo amoras, Huntly tomou um gole da fonte de água sem permissão e Kiser proferiu um palavrão leve depois de cair em um trampolim - essas foram as ofensas cometidas pelos três em seu tempo no reformatório que resultou em eles sendo chicoteados dezenas de vezes com uma pulseira de couro de um metro de comprimento com um pedaço de metal embutido nela.

O trio teve sorte de ter sobrevivido, enquanto dezenas de outros não sobreviveram.



O infame reformatório da Flórida, inaugurado em 1900, era a principal instituição do estado para onde meninos com mais de oito anos eram mandados pelos tribunais depois de terem problemas menores com a lei. Muitos dos meninos que eram órfãos e não tinham para onde ir também foram enviados para esta instituição.

De acordo com registros estaduais e escolares, quase 100 crianças morreram enquanto estavam na instituição. Relatórios afirmam que muitos desses alunos morreram em um trágico incêndio em um dormitório em 1914, e em uma epidemia de gripe mortal em 1918. No entanto, as circunstâncias em torno de outras mortes na escola permaneceram um mistério por um longo período e até a data não está claro qual aluno está enterrado onde nas instalações.

As 27 sepulturas frescas foram supostamente encontradas no local na cidade de Marianna, no Panhandle, durante uma recente limpeza da poluição do solo. A professora de antropologia da Universidade do Sul da Flórida, Dra. Erin Kimmerle, enquanto conversava com a CNN, disse que uma empresa estava conduzindo testes de 'radar de penetração no solo' (GPR) perto da escola e relatou ter descoberto 27 anomalias em uma área arborizada cerca de 500 metros ao norte da área onde sua equipe encontrou os restos mortais de 51 meninos em 2013.



O governador Charlie Crist, em 2008, ordenou uma investigação depois que um grupo de homens conhecidos como 'os meninos da Casa Branca' apresentou suas histórias de terem sido cruelmente torturados dentro de uma pequena construção na propriedade da escola. Os homens contaram histórias de terror sobre o tempo que passaram na instituição quando eram jovens e como foram espancados até ficarem inconscientes e chicoteados até que a cueca ficasse cravada em suas nádegas, segundo relatos.

A investigação terminou um ano depois, encontrando evidências suficientes de abuso na escola, no entanto, também concluiu que não havia tratamento abusivo relacionado a quaisquer mortes na escola. Apesar das descobertas, os ex-alunos continuaram a falar em espancamentos, assassinatos e desaparecimento de alunos nas instalações.

Bryant Middleton disse ao Daily Mail que ele tem uma lista de 138 meninos que ainda não foram contabilizados e acrescentou que alguns dos meninos na escola morreram de espancamentos severos.

Huntly disse ao canal de comunicação que as surras eram “como uma carga para o seu cérebro, como se o incendiasse. É um fogo dentro de você que não tem escapatória. Quando eu estava sendo espancado, era como se eu tivesse que gritar dentro de mim. Você está ofegante, está rezando, está chorando e gritando dentro de você, tentando cronometrar a lambida para que eu possa apertar meu corpo na hora certa para tentar diminuir a dor, mas é muito doloroso para faça isso.'

Enquanto Kiser acredita que alguns dos corpos dos alunos poderiam ter sido cremados. “As raças eram estritamente segregadas”, lembrou Kiser. “A única vez que falei com um crioulo lá foi uma nuvem de fumaça fedorenta saindo da chaminé. Eu perguntei o que era.

'Bem, com certeza eles não estão cozinhando pizza', respondeu o afro-americano. Kiser está convencido de que as autoridades da escola estavam cremando um corpo na época.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, na esteira da recente descoberta, prometeu que a questão de novas sepulturas possíveis no local da escola será 'tratada com a maior sensibilidade e cuidado'.

Artigos Interessantes