'Os Últimos Czares': A verdadeira história por trás da queda da dinastia Romanov envolve massacre, magia e confiança perdida

Os detalhes emocionantes e impressionantes que aconteceram nas vidas dos membros da dinastia Romanov serão explorados em 'O Último Czar', que estréia em 3 de julho.

Em um dos empreendimentos mais ambiciosos da Netflix, a plataforma de streaming está produzindo uma série de documentos sobre a convulsão social que varreu a Rússia no início do século 20 e levou à queda da dinastia Romanov de três séculos, que na época era chefiada pelo czar Nicholas II. O drama histórico de grande orçamento 'Os Últimos Czares' explora os anos finais da família real, que terminaram com sua execução logo após a Revolução de fevereiro.

O massacre resultou no massacre de toda a família real, incluindo o ex-czar Nicolau II, a ex-czarina Alexandra, seus cinco filhos - Olga, Tatiana, Maria, Anastasia e Alexei - e seus assessores de confiança que os seguiram até a prisão. Esta história continua a chocar e entristecer a muitos, ao mesmo tempo que inspira muitos documentários, como 'Os Últimos Czares'.



O foco da série Netflix é a vida privada de Nicolau e Alexandra, que amaram seu papel como o czar e a czarina da Rússia, e sua história, junto com a de seu país, é narrada alternadamente por atores e narradores que são historiadores. O trailer mostra como o casal real realmente acreditava que nada jamais ficaria entre eles - eles estavam, é claro, errados sobre isso. Não apenas o czar estava sobrecarregado pela crescente agitação no país devido às muitas perdas da Rússia na Primeira Guerra Mundial, mas também certos maus presságios pareciam ameaçar sua liderança e sua vida pessoal.

Como um dos historiadores, o Dr. Pablo De Orellana, disse no trailer do filme, 'Nicolas sentiu uma enorme pressão para continuar a dinastia e expandir o império.' São suas ações impulsionadas por essa pressão e o medo que veio junto com ela, que forçou o czar a lançar as bases para sua própria morte, voltando-se para o místico Grigori Rasputin em seu momento de necessidade. Descrito como um monge ou 'strannik', ele ganhou a graça real ao se tornar um curandeiro para Alexei, o único filho do czar e da czarina, que sofria de hemofilia, por volta de 1906.



Alexandra e muitos outros na família real acreditavam que ele era capaz de aliviar a dor do czarevich e, assim, ele começou a exercer sua influência em assuntos reais e políticos. Na verdade, o historiador britânico Harold Shukmand chegou a chamar o místico de 'um membro indispensável da comitiva real'. Com o czar chamando-o de lampadnik, ou acendedor de lampiões do palácio, o acesso fácil ao palácio e à família real. Ao longo dos anos, ele usou seu status e poder para obter vantagem total, aceitando subornos e favores sexuais e, de acordo com seus críticos, até teve um caso com a czarina.

Quando o czar deixou a capital para supervisionar os exércitos russos que lutavam na Grande Guerra, Rasputin foi atacado por sua embriaguez crescente, promiscuidade sexual, disposição para aceitar subornos e a facilidade com que conseguiu afastar as pessoas que o criticavam de papéis poderosos. Sua influência sobre a czarina também foi investigada, com a czarina, de ascendência anglo-germânica, sendo inclusive acusada de atuar como espiã dos alemães.

Políticos e jornalistas que queriam ver a queda da dinastia Romanov usaram a impopularidade da dupla a seu favor. Junto com seu estilo de vida rude, Rasputin involuntariamente impulsionou a queda do czar disputando com membros do clero em público e se gabando de seu domínio sobre a realeza, entre outras coisas. Com isso, diminuiu o respeito que os súditos tinham por seu czar, que já era culpado pela economia em declínio da Rússia, impulsionando assim uma revolução.

Oito dias depois de 23 de fevereiro de 1917, começaram os protestos em massa - principalmente contra o racionamento de alimentos - que incluíram confrontos com a polícia e os gendarmes, as últimas forças leais da monarquia russa. Depois que terminou, até mesmo as forças rebeldes do Exército Russo se aliaram aos revolucionários. Três dias depois disso, Nicolau II abdicou do trono, encerrando assim o governo de Romanov. Depois disso, a família real foi presa no Palácio de Alexandre antes de ser transferida para Tobolsk e depois para Yekaterinburg, onde foram mortos supostamente por ordem expressa de Vladimir Lenin.

Os detalhes emocionantes e impressionantes que aconteceram entre esses grandes eventos na história da Rússia seriam explorados em 'O Último Czar', que estréia em 3 de julho.

Artigos Interessantes