Crítica do episódio 3 da primeira temporada de 'FBI: Most Wanted': o programa da CBS enfoca os sobreviventes da violência armada

O terceiro episódio de 'FBI Most Wanted' aborda o problema mortal da violência armada

Por Lakshana Palat
Atualizado em: 23:54 PST, 21 de janeiro de 2020 Copiar para área de transferência

Julian McMahon (CBS)



Nos últimos anos, os incidentes de tiroteio em massa em escolas aumentaram nos Estados Unidos. É um assunto abertamente doloroso, debatido constantemente sem quase nenhuma solução. O medo é o novo normal, e essa emoção forma o ponto crucial do último episódio de 'FBI: Most Wanted, intitulado' Hair-Trigger '. O episódio explora os efeitos traumáticos da violência armada em um sobrevivente, seu eventual descarrilamento e distorção do que é realmente certo e errado. É pesado, corajoso e sombrio e com alto nível de fator emocional.



O episódio começa com um adolescente chamado Doug Timmons dirigindo rápido em uma pista bastante solitária. Outro carro quase bate em seu veículo. Um homem sai para se desculpar, mas então um policial entra em cena. Ele prende o homem, dizendo que está embriagado. Doug está furioso com ele por fazer isso e faz esta declaração reveladora: 'Policiais. Bom para incomodar bêbados, mas nunca quando precisamos de você.

Qual é o valor líquido do Tori Spelling

Após uma breve troca, Doug atira no policial e, em seguida, ele vai até o carro onde o homem está sentado e atira nele.



Esse começo é o suficiente para causar nervosismo. Ele também define o tom escuro.

Diante disso, o episódio é direto. Jess LeCroix (Julian McMahon) e sua equipe precisam rastrear Doug (Charlie Tahan) e entender quais são seus planos. Doug é um sobrevivente de um tiroteio na escola que reivindicou um amigo dele e ele nunca se recuperou desde então. Este incidente causa uma crise psicológica para ele e sua raiva contra o governo dos Estados Unidos por não impor o controle de armas e leis espirais fora de controle. E assim, ele tem planos de derrubar funcionários do governo e cabe ao FBI rastrear seu próximo movimento e impedi-lo de causar mais estragos. Sua meia-irmã Molly (Jess Gabor) é uma jogadora única no jogo porque, a princípio, ela parece preferir ficar longe de toda a bagunça, mas há algo mais insidioso em mãos. Doug quer se vingar de todos que ele acredita que quebraram sua confiança.

Jess Gabor como Molly (captura de tela, CBS)



arma letal seann william scott personagem

No final, Jess quase consegue impedi-lo de realizar seu plano falando com ele, em vez de usar a violência.

Este episódio intenso abordou o problema candente do controle de armas com sensibilidade. A mensagem é alta e clara. Por quanto tempo deixamos os jovens viverem com medo assim? E o que você faz quando os sobreviventes estão tão destruídos que se transformam eles próprios em agressores?

'FBI: Most Wanted' vai ao ar na CBS.

Isenção de responsabilidade: As opiniões expressas neste artigo pertencem ao escritor e não são necessariamente compartilhadas por ferlap.

Artigos Interessantes