Os membros da família de Charles Manson ainda atestam a inocência do líder do culto e dizem que os condenados por assassinato foram 'bodes expiatórios'

Lynette 'Squeaky' Fromme e Sandra 'Blue' Good cumpriram pena na prisão por envolvimento com o culto e, embora Manson tenha morrido em 19 de novembro de 2017, na Prisão Estadual da Califórnia - sua fé nele permanece inabalável

Charles Manson

Mesmo que os assassinatos cometidos pelo Mulheres manson são extremamente gráficos e muito bem documentados - dois deles ainda acreditam em Charles Manson e sua fé permanece firme em seu líder e sua causa.



9 de agosto marca o quinquagésimo aniversário dos assassinatos de Tate, quando seguidores do falecido líder de culto - Tex Watson, Susan Atkins, Patricia Krenwinkel, Steve Grogan, Leslie Van Houten e Linda Kasabian - massacraram cinco pessoas, incluindo a atriz Sharon Tate, em um casa ao norte de Beverly Hills. Apenas alguns dias depois, outro membro da Família Manson, Leslie Van Houten junto com Patricia Krenwinkle e Tex Watson, foram convencidos a cometer mais dois assassinatos - o assassinato de Leno e Rosemary Labianca.



Lynette 'Squeaky' Fromme e Sandra 'Blue' Good cumpriram pena por sua participação no culto que envolveu nove assassinatos e mesmo que Manson tenha morrido em 19 de novembro de 2017, na Prisão Estadual da Califórnia - sua fé nele permanece inabalável. A dupla diz que algumas das mulheres condenadas pelos assassinatos eram, na verdade, algumas das pessoas 'mais calorosas' que já haviam conhecido.

Lynette 'Squeaky' Fromme e Ruth Ann Morehouse são levadas de volta à prisão após serem indiciadas por conspirar para envenenar uma testemunha de acusação com LSD. Eles eram membros da 'família' de Charles Manson e frequentemente interrompiam seu julgamento (Getty Images)



Fromme é notoriamente conhecida pela tentativa de assassinato do presidente Gerald Ford em 1975, onde ela foi condenada à prisão perpétua. Mas logo, ela atacou um preso na prisão com um martelo e escapou da prisão na tentativa de encontrar Manson. Ela foi presa novamente e se recusou a ir em liberdade condicional. Ela queria ficar com a Família na prisão. Ela havia dito em várias ocasiões que queria ficar com 'as meninas e Charlie'. Ela também alegou que só queria falar com Ford e pegou a arma para chamar a atenção dele. Ela foi libertada em liberdade condicional em 14 de agosto de 2009, após cumprir 34 anos.

Logo após a prisão de Fromme, Good também foi para a prisão por enviar ameaças de morte a empresas e cumpriu 15 anos de prisão. As mulheres foram enviadas para a mesma prisão federal. Ela também se recusou a sair e disse que não 'choramingava e choramingava na frente do conselho de liberdade condicional', em vez disso se recusou a ir. Ela queria ficar dentro de casa até que 'seu povo tivesse uma boa trilha'. No entanto, ela foi 'expulsa' em 1985. 'A prisão não é um lugar legal', ela diz em um documentário, 'mas eu me senti solidária com as outras pessoas.'

Good ainda está inflexível de que conhecer Manson salvou sua vida e a beneficiou emocionalmente, mentalmente e fisicamente e que ela é grata. Ela acredita que o que eles fizeram não foi nem perto da 'imoralidade' que existe em Hollywood. No documentário, porém, ela admite que eles realmente 'tocaram a linha' e que 'precisava ser tocada'. As mulheres, que conheceram Manson na juventude, ainda continuam defendendo a Família.



Good ainda está inflexível de que conhecer Manson salvou sua vida e a beneficiou emocionalmente, mentalmente e fisicamente e que ela é grata. (Twitter)

Elas são algumas entre as muitas mulheres que viveram com Manson no infame Rancho Spahn, onde ele se estabeleceu com seus seguidores depois de viver uma vida nômade por muitos anos.

os ricos e os pobres 7ª temporada, episódio 7

As mulheres eram obrigadas a fazer tarefas no rancho, desde cozinhar e limpar até cuidar dos animais em troca de sua estadia com George Spahn, o dono do rancho. Embora eles fossem os que trabalharam na terra, Manson os fez acreditar que na verdade foram seus esforços que lhes deram um teto sobre suas cabeças. Ele conduzia viagens comunitárias de LSD juntos no Rancho com as mulheres, onde as fazia reencenar a crucificação de Jesus Cristo. Ele também disse às mulheres durante essas viagens com LSD que não havia culpa.

Fromme e Good, que ainda são verdadeiros crentes em Manson, dizem que Charlie não cometeu o crime de verdade e que é responsabilidade deles ter cometido isso.

'Squeaky' conheceu Manson quando era adolescente depois que seu pai a expulsou de casa. Ela diz no documentário que parecia que Manson soube imediatamente o que tinha acontecido e que ele a consolou. Quanto a 'Blue', ela sentiu uma conexão instantânea com ele, disse ela. Ela era uma jovem doente de 24 anos na época, tendo feito duas traqueotomias e sentia que sua mãe a desprezava por isso. Manson, ao vê-la, tocou sua garganta e disse a ela que sua mãe tinha ciúmes dela.

Good diz que os membros da Família Manson que estiveram envolvidos nos assassinatos de Tate e Labianca são 'bodes expiatórios' que estão sendo usados ​​para 'vender o crime'. Ela acredita que eles não estão sendo liberados porque é 'político'. Fromme ainda não se arrepende do que aconteceu e diz: 'É difícil lamentar quando você está indo de fundo'.

Nos últimos 50 anos desde os assassinatos, os membros da família Manson tiveram sua liberdade condicional negada mais de 100 vezes. Diane 'Snake' Lake e Catherine Gypsy Share também contam suas histórias no especial de duas horas 'Manson: The Women' no sábado, 10 de agosto, às 19h ET / PT no Oxygen.

Se você tiver uma notícia ou uma história interessante para nós, entre em contato pelo telefone (323) 421-7514

Artigos Interessantes